quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Papa: ´Doutrina Social da Igreja vem do Evangelho´

Em entrevista a jornalistas, Francisco esclareceu que não se filia a nenhuma identidade partidária.

CIDADE DO VATICANO – O avião que trouxe o Papa Francisco de Estrasburgo pousou no Aeroporto de Ciampino, em Roma, pouco depois das 16 horas. Durante o voo, como costuma fazer, o Santo Padre conversou com os jornalistas, respondendo às perguntas sobre os temas tratados no Parlamento Europeu.

O pontífice disse que a Doutrina Social da Igreja é inspirada no Evangelho, e interpelado sobre a expressão "identidade dos povos" contida no seu discurso e se o seu coração abrigava um “sentimento social-democrata”, respondeu:

"Não ouso qualificar-me de uma ou de outra parte. Eu ouso dizer que isto vem do Evangelho. Esta é a mensagem do Evangelho que a Doutrina Social da Igreja contém. Eu nisto, concretamente, e em outras coisas – sociais ou políticas – não me afasto da Doutrina Social da Igreja. A Doutrina Social da Igreja vem do Evangelho, da Tradição cristã. Isto que disse – a identidade dos povos – é um valor evangélico".

O papa aprofundou, após, o seu convite para se abrir à verdade edificando o bem comum, a ser confiado também aos jovens políticos:
“Eu vi nos diálogos com os jovens políticos, aqui no Vaticano, sobretudo, de diversos partidos e nações, que eles falam com uma música diversa que tende à transversalidade! Eles não têm medo de sair da própria pertença, sem negá-la, mas sair para dialogar. E são corajosos! E acredito que nisto devemos imitá-los. E também o diálogo entre as gerações. Este sair para encontrar pessoas de outra pertença e dialogar: a Europa tem necessidade disto, hoje”.

Dentro do tema da paz "seguidamente ferida", como afirmou em Estrasburgo, o papa Francisco assim respondeu aos jornalistas quando interpelado se seria possível o diálogo como o "Estado islâmico". "Eu nunca dou uma coisa por perdida, nunca! Talvez não se possa haver um diálogo, mas nunca fechar uma porta. É difícil, se pode dizer 'quase impossível', mas a porta está sempre aberta”.

Francisco convida então, a refletir sobre a resposta ao terrorismo: “Cada Estado por conta própria sente ter o direito de massacrar os terroristas, e com os terroristas caem tantos inocentes. E esta é uma anarquia de alto nível que é muito perigosa. Com o terrorismo se deve lutar, mas repito aquilo que disse na viagem precedente: quando se deve deter o agressor injusto, se deve fazer com o consenso internacional”.

Hoje a paz, como ele mesmo afirmou ao Conselho da Europa, “é violada também pelo tráfico de seres humanos”, nova escravidão do nosso tempo, tema tratado em diversas oportunidades pelo Pontífice: “A escravidão é uma realidade inserida no tecido social de hoje, mas há tempos. O trabalho escravo, o tráfico de pessoas, o comércio de crianças: é um drama. Não fechemos os olhos diante disto. A escravidão, hoje, é uma realidade; assim como a exploração das pessoas”.

A quinta viagem apostólica internacional do papa Francisco é concluída com as perguntas dos jornalistas sobre os próximos compromissos: agora foi à Estrasburgo, como coração das instituições europeias; no futuro – perguntam – será a vez da França?
“O plano não foi feito”, disse, mas certamente “se deve ir a Paris”, “existe uma proposta” para Lourdes e – acrescentou – pediu para visitar “uma cidade onde nunca tenha ido nenhum papa”.

Então, um pensamento final para a Europa:

"A Europa neste momento me preocupa; bom, para ajudar, que siga em frente. E isto como Bispo de Roma e sucessor de Pedro".
SIR
Fonte: http://domtotal.com/noticias/detalhes.php?notId=838181

Nenhum comentário:

Postar um comentário