quinta-feira, 6 de novembro de 2014

ONU escolhe brasileiro para ser o ´fiscal´ da água

77 milhões de brasileiros ainda não têm um abastecimento de água regular e de qualidade.

A Organização das Nações Unidas (ONU) escolheu um brasileiro como "fiscal" para garantir que governos cumpram o dever de fornecer água e saneamento a sua população. Em uma decisão tomada nesta quinta-feira (6) a entidade anunciou que Leo Heller será o novo relator da ONU para o direito à água e saneamento.
Heller substitui a portuguesa Catarina Albuquerque que, desde 2013, vem causando uma série de dores de cabeça a governos no Brasil. No ano passado, ela planejava uma visita ao País quando, de última hora, o governo de Dilma Rousseff retirou seu convite temendo a repercussão de sua investigação.
A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo revelou o veto à viagem, criando uma crise interna entre a ONU e o governo. Brasília foi obrigada a rever sua decisão e a visita acabou ocorrendo em dezembro de 2013, mas apenas para constatar a crise de saneamento e água no País.
Quando seu informe foi divulgado com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo, ele revelava que 77 milhões de brasileiros ainda não têm um abastecimento de água regular e de qualidade. Catarina Albuquerque também apontou que 114 milhões de brasileiros não têm "uma solução sanitária apropriada".
Há um mês, a portuguesa se envolveu em outra crise diplomática quando acusou o governo de São Paulo de ser responsável pela falta de água na cidade. O governador Geraldo Alckmin enviou uma carta ao secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, para se queixar. Mas Catarina Albuquerque se recusou a se retratar.
Agora, ela deixa seu cargo e Heller assumirá a função a partir de 2015. Em seu mandato estará o trabalho de percorrer o mundo para identificar de que forma governos estão agindo para garantir que seus cidadãos tenham acesso à água e fazer recomendações para que violações sejam ratificadas.
Como Catarina acaba de emitir um informe sobre o Brasil, dificilmente Heller voltará a tratar da situação do País nos próximos dois anos.
Agência Estado
Fonte: http://domtotal.com/noticias/

Nenhum comentário:

Postar um comentário