quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Diversificação apícola do RN será apresentada como case de sucesso


Apicultores potiguares dão exemplo ao explorar
produtos além do mel (Foto: Moraes Neto/Divulgação)
A estiagem prolongada que atinge o Rio Grande do Norte há quase três anos provocou queda considerável na produção de mel de abelha. Mas por outro lado, as dificuldades despertaram nos apicultores potiguares a necessidade de trabalhar a diversificação para manter a atividade fortalecida. Estimulados pelas ações promovidas pelo Setorial de Apicultura do Sebrae no Rio Grande do Norte, os produtores atuam na exploração dos produtos nobres da colmeia, como a coleta do veneno da abelha, e o estado ganha destaque pelo aperfeiçoamento de técnicas que garantem maior produtividade e renda.
Além da experiência com apitoxina, veneno da abelha, a apicultura do Rio Grande do Norte avança também na produção de outros produtos nobres extraídos das colmeias, como a cera, a geleia real e o pólen. Os resultados mostram que, mesmo em condições climáticas adversas, é possível obter resultados positivos na atividade.
 “Vivemos uma longa estiagem, e foi necessário que os apicultores se adaptassem às novas condições climáticas e dessem continuidade à atividade. Para isso, incentivamos a diversificação, com foco nos produtos nobres da colmeia, que garantem renda e o fortalecimento da atividade mesmo em condições desfavoráveis”, enfatiza o gestor de Apicultura do Sebrae-RN, Lecy Gadelha.
Um dos produtos que têm valor agregado é
o pólen (Foto: Marco Polo Veras / Divulgação)
Os avanços apícolas regionais, obtidos a partir da diversificação de produtos serão apresentados durante o Congresso Brasileiro de Apicultura e Meliponicultura, que acontece em Belém-PA, entre os dias 5 e 8 de novembro. Caravana promovida pelo Sebrae-RN levará 45 apicultores potiguares ao evento, que discute estratégias para o setor.
As experiências exitosas alcançadas por Joaz Ferreira, da Região do Mato Grande Potiguar, serão apresentadas no congresso. O apicultor apresentará os resultados obtidos a partir de um equipamento de coleta da apitoxina – veneno da abelha, criado por ele, que aumenta em dez vezes a produtividade por colmeia. “A partir das ações do Sebrae para diversificar a apicultura, conseguimos muitos resultados bons e estaremos apresentando durante o congresso. A minha experiência mostra isso, com base no equipamento em que consigo coletar um grama do veneno por colmeia. Em outras regiões se coleta, em média 0,1 grama por colmeia”, explica.
Além das expectativas e desafios para o setor da apicultura, o Congresso Brasileiro de Apicultura e Meliponicultura servirá para a apicultura potiguar buscar novos mercados para os produtos do estado. Durante o evento, serão expostos os produtos certificados produzidos por mais de 200 apicultores inseridos em 10 cooperativas do Rio Grande do Norte.

A produção certificada, que carrega a marca própria Potimel, foi obtida junto aos órgãos de inspeção agropecuária, e é fruto do trabalho desenvolvido junto aos apicultores ao longo de dois anos. “Todos os produtos serão expostos e a nossa expectativa é de que consigamos mais mercado para o mel, própolis, pólen e demais itens produzidos pelos apicultores do estado”, complementa Lecy Gadelha.

Fonte: http://portalnoar.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário